Aeróbico em Jejum.

By Mayra Soares sexta-feira, maio 20, 2016 Nenhum comentário , , , , Permalink 0

Olá, chuchus!

Já fiz um post aqui falando sobre qual melhor aeróbico a se fazer.
Hoje vou falar um pouco mais do tipo de treinamento aeróbico que eu escolhi fazer para o meu projeto #Gogomos.

Eu e a May estamos fazendo aeróbico em jejum todos os dias, com exceção da segunda e quarta, pois fazemos Muay Thai com nossos parceiros da Academia Grilo Fight & Fitness, que inclusive nossos leitores têm desconto, confira aqui.

Bom primeiro vamos falar do que é o aeróbico em jejum e se realmente cumpre o que promete.

De acordo com LIMA. E do site Dicas de Treino “Nosso organismo tende sempre a se manter num ESTADO DE EQUILÍBRIO (a chamada HOMEOSTASE), adaptando-se rapidamente às demandas que impomos sobre este, procurando sempre se economizar ao máximo. Este fato fisiológico gerou uma máxima que diz que: QUANTO MAIS TREINADO SE É, MENOS TREINÁVEL SE TORNA. Essa máxima é especialmente verdadeira para pessoas muito condicionadas, especialmente o(a)s atletas de fisiculturismo que vivem e respiram um ESTILO DE VIDA muito particular, em termos de dedicação ao treinamento, alimentação e repouso. Estes, mais que qualquer outro, estão sempre buscando formas de otimizar seus treinamentos bem como não deixar que seus organismos entrem em HOMEOSTASE, bloqueando sua evolução física. Essa eterna busca da quebra da HOMEOSTASE passa por diferentes estratégias dietéticas, seja oscilando a ingestão proteica ou calórica total ao longo do dia, da semana, etc. Da mesma forma também, através da utilização de diferentes estratégias de treinamento, tanto muscular quanto cardiorrespiratório. Tudo isso, em função de uma busca incessante em se manter a gordura corporal relativamente baixa, em off-season (os que fazem as coisas certas, é claro) enquanto preservam ou aumentam sua massa magra.
É sabido que a aerobiose estimula a liberação do Hormônio do Crescimento (HGH) e uma das condições orgânicas ideais para tal, é uma baixa glicose sanguínea. Além da ação anabólica do HGH. Este também possui uma alta ação lipolítica, sendo responsável pelo metabolismo e conversão das gorduras em fonte de energia. Tal aceleração do metabolismo das gorduras se mantém, por algumas poucas horas (total variando de indivíduo para indivíduo). Essa base fisiológica é o que justificou a disseminação da ideia da aerobiose em jejum.”
Ou seja, o período de descanso é o que tem uma produção maior de HGH, que além da ação anabólica, tem grande ação lipolítica, convertendo a gordura em energia.

Porém como foi dito acima essa é uma estratégia que atletas utilizam para quebra da homeostase, que outros aeróbicos também podem proporcionar de forma ainda melhor.

Dentro da área este é um tema muito polêmico, um dos estudos mais usados por pesquisadores para comprovar a ineficácia do AEJ é o estudo de Paoli et al. (2011) [10, 11]. “Paoli et al. (2011), verificaram a diferença no metabolismo das gorduras durante um exercício aeróbio moderado (36min/65%FC) na esteira pela manhã em duas situações: 1) alimentado e 2) Jejum (Jejum de verdade, inanição total). Doze horas após o exercício, o grupo que se alimentou continuava com o VO2máx elevado, enquanto o quociente respiratório reduziu significativamente, indicando maior utilização de gorduras na situação alimentado, mas não quando o exercícios era realizado em jejum. E 24hs após o exercício, a diferença ainda era significativa, com maior gasto energético e de gordura para quem se alimentou antes do exercício. Assim, os autores concluíram que o exercício aeróbio moderado, para perda de peso, realizado em JEJUM, não aumenta a oxidação de Gorduras e uma refeição leve é aconselhável[10].”

E mesmo assim você insiste no AEJ, Ana? Sim!

“Embora esse estudo, indique que o exercício em jejum não seja superior ao exercício em estado alimentado, é importante fazer algumas observações. Os estudos sempre consideram apenas uma atividade física realizada durante o dia, enquanto o mais comum é que os adeptos do AEJ realizem o exercício aeróbico de manhã, e o treino resistido horas mais tarde. No estudo de Paoli o jejum foi de 12 horas, enquanto o mais comum é um jejum noturno de ~8 horas, e isso evidentemente pode fazer muita diferença no metabolismo pós exercício, já que 12 horas de jejum aumentam a importância da gliconeogênese hepática (conversão de aminoácidos, glicerol e lactato em glicose). Não acredito que essas diferenças possam provocar grandes mudanças nos resultados dos estudos, e sim, que em geral, a escolha do exercício, em jejum ou alimentado, não terá grande relevância nos seus resultados.” HALUCH. E. 2014

Conclusão

Não há uma fórmula ou regra que funcione. Não podemos considerar nada como verdade absoluta.

O mais importante no meu ponto de vista é fazer um aeróbico que te agrada, que esteja dentro das suas capacidades, não se tem uma comprovação exata de que o AEJ não é nada eficaz para todas as pessoas. Acredito muito na individualidade biológica e considero e respeito sempre os hábitos e rotina de cada um.
Para mim, por exemplo, é uma tortura fazer uma corrida de intensidade alta ainda mais com treinos de musculação, durante o exercício sinto dor nas pernas (que treino duas vezes por semana) antes mesmo de sentir um cansaço cardiorrespiratório, acaba que sinto que não está sendo tão produtivo.
E penso que se a ideia é gastar mais kcal do que consumimos para perda da gordura, seja qual aeróbico for, basta que ele alcance esse objetivo. E não é possível, que uma caminhada de 40min não sirva de absolutamente nada.

Apesar de praticar atividade física com seriedade há 4 anos, ainda me considero iniciante, me falta estudo e consciência corporal.
A May é mais iniciante ainda, foi sedentária por muito tempo.
Optar por uma estratégia de aeróbico muito intensa como o HIIT, por exemplo, pode ser perigoso e até lesivo. Precisamos respeitar o nosso corpo e nossas limitações.
Não posso deixar de citar o Muay Thai que é bem intenso e parece um tanto contraditório com o que acabo de dizer. Mas fazemos com orientação, acompanhadas por excelentes profissionais que também respeitam nossas limitações durante toda a aula nos auxiliando para não ocorrer qualquer lesão que possa ser prejudicial.

Sendo assim, aconselho a vocês que leiam bastante a respeito, busquem informações, busque um bom profissional para vos acompanhar e não acreditem em tudo o que a mídia diz, saibam filtrar as informações e façam tudo com consciência.

 

REFENCIAS

http://www.dicasdetreino.com.br/aerobicos-em-jejum-vs-perda-de-gordura/#ixzz48v1Mmt12

LIMA. E 2015

http://www.duduhaluch.com.br/aerobio-em-jejum-dudu/

HALUCH. E 2014

PORTO. E Aerobio em jejum, Gease, 2014.

No Comments Yet.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *