#EuAcho: Desistir é para os fortes!

By Mayra Soares quarta-feira, dezembro 3, 2014 Nenhum comentário No tags Permalink 0

Hoje não tem assunto de moda.

O Blog da May aborda o que está na cabeça dessa que vos fala, claro que moda é o assunto principal, mas a categoria “Eu Acho” foi feita justamente pra dias como hoje, pra que eu possa falar sobre essas coisas que as vezes rondam minha cabeça.

O ano está acabando e eu fico meio nostálgica, sabe? Esse foi um ano meio difícil, mas também trouxe muitas boas expectativas. E trouxe esse espaço aqui pra gente conversar, pra gente trocar ideias, informações e, principalmente, amizade.

Todo fim de ano eu penso em tudo aquilo que eu deveria ter feito e não fiz. Penso que, hoje, era pra eu e o amor estarmos morando temporariamente nos EUA. hahahah São planos, planos que  a gente faz e a vida vai mudando e nos mostrando que o nosso caminho é outro.

Confio muito nisso.

Mas se existiram coisas que não consegui fazer (como ir pra academia e seguir uma dieta, por exemplo. Me aguarde, 2015!) existem outras que eu desisti porque quis mesmo, sabe como? Aquele emprego chato, que paga suas contas, te dá perspectiva de futuro, mas não te satisfaz mais.

Aquela camisa toda bordada que hoje não combina mais com o que você quer transmitir.

Aquela viagem pra um lugar que já não faz mais sentido nenhum.

Ai, navegando aqui nesse mundo paralelo gigante da internet, encontrei um texto que disse exatamente aquilo que eu queria dizer quando comecei esse post. Aí vai:

“Desistir é para os fortes.

Fizeram a gente acreditar que desistir é covardia, mas não é. Fizeram a gente acreditar que lutar até a última gota de suor é o que faz de nós heróis, mas não é sempre assim.

Nos contaram que aceitar nossos limites e entender que a gente nem sempre consegue, chama-se fraqueza. Que querer é poder e que lutar é obrigação.

Acho que ensinam a gente a sofrer.

É preciso ser muito mais forte do que se pensa pra aceitar que não se pode mais. Pra entender que a luta acabou, que você não chegou lá, e mais do que isso, pra perceber que nem sempre se é capaz. E afinal, qual o problema em não ser capaz? Até onde leva a incessante luta por algo que eu não posso? Eu não consigo? Onde acaba o limite entre querer conseguir e o querer lutar? Qual é o ponto em que a luta se torna mais instigante que o objetivo?

Desistir de lutar não é covardia, às vezes, chama-se respeito. Respeito a si próprio e a todos os limites que você possui e que não devem ser motivos de vergonha.

Não faço apologia para que todos desistam de seus sonhos não, longe disso. Lutem, corram atrás, busquem com tudo que podem o que vocês realmente almejam. Mas o querer é que deve ser o motivo dessa busca e não a busca ser o motivo do querer, entendem?

Às vezes o bem que se sente quando você simplesmente deixa de correr atrás do que não chega, traz muito mais paz do que o que você sentiria quando chegasse lá, cansado, machucado, ferido.

Chega de acreditar que isso é ser fraco.”

O texto é da Barbara Libório, mas podia ser meu, seu e de tantas outras pessoas que desistindo de um sonho por não aguentar mais ou, como no meu caso, por não fazer mais sentido, descobrem outros!

Bom, para o próximo ano eu desejo que sejamos mais honestos com a gente mesmo, que desistamos de sonhos que não nos satisfazem e que tenhamos milhares de sonhos novos para nos mover.

May-2

PS: Ainda teremos post dezembro todo, continuem aqui fazendo parte desse sonho que só cresce.

Bitocas!

 

No Comments Yet.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *